Morada da Lua

A antiga casa que preside a Plaza de San Andrés, conhecida como Casa das Luas, esconde atrás de seus portões uma história transmitida desde tempos imemoriais e que hoje causam medo aos mais corajosos. É outro local sombrio de Córdoba, a julgar pelos eventos que ocorrem e que começam com seus habitantes iniciais. Segundo a história, nesse palácio vivia um judeu muito rico que fazia fortuna como credor. Ele era um ser desprezível que conquistara o ódio de todos.

Seu dinheiro era guardado no porão da casa, havia uma série de passagens que ele construíra para esse caso. Em uma ocasião, ao guardar um saco de dinheiro, ele sofreu dores nas costas e teve que pedir ajuda à filha, uma menina de 10 anos.

Depois de receber as instruções correspondentes, a menina começou a andar pelos corredores complicados até chegar à sala onde tinha que depositar as moedas. Ela teve a má sorte que um rato a assustou e jogou a vela no escuro. A pequena tentativa de refazer a estrada, mas ela estava perdida e ligar para o pai não foi capaz de localizá-la. O usurário pediu ajuda aos vizinhos que se recusaram a lembrá-lo de como ele havia sido mau com eles.

O velho avarento, derrotado, acabou sozinho e morrendo com o barulho daqueles gritos daquela garota perdida. Hoje, a lenda conta que os gritos da menina perdida, de um tipo comovente, ainda são ouvidos entre os corredores da casa antiga. Mas sempre acompanhado por esse grito ainda mais doloroso do pai do que na vida e por suas ações, ele não recebeu a ajuda para encontrar a única coisa que na vida lhe dava alguma humanidade.

Toda essa fenomenologia começa logo ao entardecer e dura praticamente a noite toda. Se você andar pelo local, talvez possa ouvi-lo nas noites frias de inverno.