Convento de Santa Paula

Este convento do centro da cidade está localizado na rua Santa Paula, cujo nome inicial era Calle de los Dolores desde que foi conquistada pelos cristãos até 1416, perto da época da fundação do mosteiro das Mães Jerome.

Dona Ana de Santillán foi uma promotora deste espaço e comprou uma série de propriedades próximas à paróquia de San Román aos monges Jerome de Buenavista e que estavam ligadas à sua paróquia, e cuja ordem foi concedida em 1473, logo depois que ela se tornou na mãe prioresa do convento.

A senhora Isabel Enriquez, no final do século XV, chegou a Sevilha e incentivou a construção da igreja, e, como tal, recebeu a honra de ser enterrada na capela de maio e tudo devido à sua grande generosidade ao templo e aos coros que a igreja havia terminado. em 1489.

O mosteiro foi dedicado pelos dois fundadores a Paula Romana, que era um discípulo penitente de São Jerônimo, um descendente dos Cipós e das Graças.

Foi o primeiro mosteiro em Sevilha que foi proclamado Monumento Artístico Histórico e também pioneiro na criação de um museu localizado no local.

Na área próxima aos locutorios, há uma pequena escadaria que leva ao museu de dois navios em seu núcleo principal, dos quais o primeiro é iluminado por treliças sopradas, e nos permite ver os ornamentos do convento, como suas rendas e o Menino Jesus e seus Nascimentos

O outro navio é a chamada Sala de San Isidoro, com teto do tipo mudéjar e onde é oferecida uma exposição do século XVII: móveis e pinturas pertencentes às escolas sevilhana, madrid e valenciana, também nos mostra um crucificado mexicano e um enorme nascimento. feito por Ribera.

A área do coro alto, parte onde termina o museu e coberta por tetos mudéjares como extensão do indicado acima.

A capa da igreja mostra como novidade a possibilidade de unir o mudéjar gótico do seu arco pontiagudo com três arquivoltas com áreas de tijolos vermelhos e amarelos e a cerâmica de Lucca della Robbia. Mostra uma mistura de dois estilos, o gótico e o renascentista, com os anjos e os pôsteres góticos de Pedro Millán, cercados por flores e frutas, com um nascimento dentro, em branco e azul. O tímpano tem um escudo real feito de mármore branco, com o garfo e as flechas dos monarcas católicos, datados de 1504.

O edifício da igreja é de um único navio, com um presbitério por abóbada gótica dupla que é atravessada por um alto friso de azulejos com fundo laranja. O Retábulo é de José Fernando de Medinilla, do século XVIII.

Nas paredes do presbitério estão os túmulos dos marquês, ambos patronos da instituição.

Os altares são dedicados a San Juan Bautista e San Juan Evangelista, mas não devemos esquecer o centro do retábulo onde San Juan é escritor, sentado, com um olhar dramático voltado para o céu, na esperança de desenhar as imagens que ele evoca e que foram feitas por Martínez Alpinista Este trabalho deriva de uma Virgem destinada a outro convento, hoje no Museu de Belas Artes de Sevilha.

A imagem de São João Evangelista aponta para o Cordeiro com a direita e com a esquerda mostra a profunda meditação de seu rosto usando pele de camelo, buriel e manto. No altar são mostradas figuras de crianças pequenas, podendo dizer que, juntas, a obra se destaca por seu atraente ornamento, onde nos aproxima do barroco.

Outra das obras a destacar é San Cristóbal, que é uma cópia mural da encontrada na Catedral, no altar da Crucificação, cujo autor foi Felipe de Ribas, onde está localizado o Santo Cristo dos Corais do final do século XV. :

O último lugar que não devemos esquecer é o coro baixo, localizado ao pé da nave, cujas paredes correm em azulejos, com cerâmica do século XVII, em amarelo, verde e azul. As paredes são pintadas com afrescos, decoradas com frutas, motivos florais e de pássaros, com algumas que abrigam duas Virgens, as de Amor e Saúde Divinos, à sua frente, o proprietário do convento de Santa Paula, esculpido em madeira ao lado de San Jerónimo penitente, de Juan de Astorga.

Como todos os conventos, seu lema é «Ora et Labora» e suas freiras se dedicam à criação de ornamentos litúrgicos, fãs de bengala e de pano, bolos de alta qualidade, destacando o toucinho, os muffins e os doces.